Nearshore – Factos vs Mitos

O objectivo deste artigo é tentar perceber o que realmente é o Nearshore, de acordo com a perspectiva da Integer, e desmistificar alguns mitos que podem ainda existir relativamente a este tipo de serviço.

Antes de avançar, é de referir que o Nearshore, como parte da oferta da Integer, é uma forma de os nossos clientes poderem trabalhar remotamente e a uma escala global num curto espaço de tempo, tendo acesso a todo o conhecimento técnico dos consultores Integer.

Posto isto, existem alguns mitos que ainda persistem sobre este tipo de serviço, a saber:

Cultura organizacional vs Incompatibilidade cultural

Sempre que se monta uma operação num país diferente, existe a necessidade de perceber quais as diferenças culturais que podem influenciar a produtividade das equipas, mas estar ciente disso não significa que essas diferenças sejam barreiras intransponíveis. O nosso único e principal objectivo, deve ser criar uma cultura organizacional transversal a qualquer equipa, independentemente das características dos elementos que as compõem. Na Integer, acreditamos que através de metodologias ágeis, conseguimos criar um ambiente em tudo semelhante ao dos nossos clientes.

Canal de comunicação privilegiado vs Dificuldades de comunicação

Muitas vezes existe a percepção errada de que uma equipa a ser gerida numa localização diferente irá trazer mais dificuldades de comunicação, quando o que se verifica na maior parte das vezes, é precisamente o contrário. Quando definimos um canal de comunicação privilegiado, em detrimento de vários interlocutores, garantimos uma resposta mais imediata e dedicada.

Diferentes idiomas vs barreira linguística

Sim, é um facto de que somos o único país na Europa que fala português, mas isso também quer dizer que temos a hipótese de abordar outros mercados, de uma perspectiva única. Para além disso, a maior parte dos profissionais de TI em Portugal têm um excelente nível de Inglês, e provavelmente adaptam-se à maior parte das organizações multinacionais. O mais importante, é que independentemente da língua nativa dos consultores, estes estejam preparados para se integrar nas equipas, nos projetos e nos clientes que falem outros idiomas.

Preços competitivos vs rates baixas

A expetactiva de rates baixas nos projectos Nearshore não passa disso mesmo, expectativa. Esta não pode ser a única razão para se procurar um serviço como este. Portugal forma profissionais no mundo da tecnologia com igual rigor ao de qualquer outro país, apesar da valorização destes profissionais ser de acordo com a realidade portuguesa. Posto isto, o objectivo na Integer, e acredito que na generalidade das empresas de TI a operar em Portugal, é de conseguir valorizar ainda mais estes profissionais, mantendo-se competitivos noutros mercados.

Resumindo, optar pelo Nearshore deve ser pensado como parte da estratégia de internacionalização do cliente, onde teremos que garantir que as equipas têm um alinhamento com a sua cultura organizacional, privilegiando canais de comunicação de rápida e assertiva resposta.

Sabendo que Portugal é garantia de excelentes profissionais, com boas competências linguísticas, e que mesmo assim conseguimos ser competitivos a nível de preço, só podemos manter a expectativa de continuar a ser um dos países onde este serviço mais cresce, e, especificamente na Integer, continuarmos a trabalhar para merecer a confiança dos nossos clientes no serviço Nearshore.

*Este artigo é escrito ao abrigo do antigo acordo ortográfico.

David Lemos
Senior Internacional Account Manager

Últimos Artigos

A entrevista: Ser Programador
A entrevista: Ser Programador

O Allan Collier é programador Java desde 2014, faz parte da equipa Integer desde 2018 e atualmente trabalha como...

O Paradigma: conciliar vida profissional e pessoal
O Paradigma: conciliar vida profissional e pessoal

Nos dias que correm deparamo-nos cada vez mais com o paradigma do equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. ...

Construir uma Learning Organization
Construir uma Learning Organization

Construir uma Learning Organization: a importância da cultura de aprendizagem Corria o ano de 1990, quando Peter Senge, através...

Utilizamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Os cookies ajudam-nos a perceber a forma como o nosso website é utilizado. Ao continuar, estás a aceitar a nossa Política de Cookies. Ao continuar, estás a aceitar a nossa Política de Privacidade.